Antonio Bernardo nasceu no Rio de Janeiro em 1947. Já na infância, entrou em contato com o universo da ourivesaria através da loja do pai, Rudolf Herrmann, em que eram comercializados artigos de joalheria e relojoaria. Em 1968 foi para a Suíça, em Lausanne, estudar no CFH (Centre International de Formation de L’industrie Horlogère Suisse), cidade onde estagiou ainda nas empresas Ebauches e Leschot, da indústria relojoeira.

Por esses tempos, Antonio começara a cursar uma faculdade de engenharia no Rio de Janeiro mas, frente à força do impulso criativo, decidiu interrompê-la a fim de se dedicar à pesquisa em ourivesaria e ao design autodidata de jóias. Trabalhou por quase uma década em seu atelier residencial, um espaço equipado tanto com ferramentas tradicionais, muitas herdadas do pai, quanto com sofisticados equipamentos industriais, seguindo-se a abertura de sua primeira loja, em 1981, no Rio de Janeiro, Shopping da Gávea.

Esse foi um marco para a transição ao processo empreendedor que culminaria com a inauguração do atelier do Jardim Botânico. Manteve-se, contudo, a motivação inovadora e investigativa que caracteriza seu design, o que, entre outros frutos, possibilitou a Antonio Bernardo criar um tipo especial de lapidação para diamante, denominada Wish Star. Em 2000, foram abertos no mesmo espaço a flagship store da marca e o espaço cultural Antonio Bernardo, em Ipanema, local em que são realizadas importantes exposições de arte moderna e contemporânea.

Seguiu-se a fase de expansão internacional da marca, com a primeira participação do designer na Feira de Basel, em 2003, e o primeiro prêmio que recebeu na premiação alemã de design industrial IF Design, em 2004 (anéis Ciclos e Expand).

Entre outras realizações importantes de sua trajetória, em 2007 foi publicado o livro Antonio Bernardo, pela editora Vianna & Mosley, do Rio de Janeiro.

Fachada da loja

“Experimentação, sensibilidade empírica e rigor produtivo…”




a origem

Antonio Bernardo começou a desenhar jóias no início dos anos setenta. Um anel de prata, composto de dois aros independentes, foi sua primeira criação e o marco inaugural da bem-sucedida trajetória do designer. Seguiu-se a concepção de peças em ouro, o metal que investiga em todo o seu potencial expressivo, assim como a de jóias pautadas pelo olhar atento à complexidade e beleza das gemas naturais.

Foi a criação do pin Mosca que revelou ao designer o caminho da liberdade criativa quando, num momento de abstração em que observava ao acaso a imobilidade e delicados traços do inseto, começou a reproduzi-lo em ouro, despretensiosamente. Pois a peça se tornou não apenas uma das jóias emblemáticas de sua carreira como autorizou ainda o aporte do humor, poesia, acaso, celebração, sedução, introspecção e abstração, entre tantas experiências vitais ao seu design. Estava aberto, portanto, o caminho para a experimentação e a investigação plástica de temas universais e empíricos, atemporais, com os quais suas criações não cessam de conquistar prêmios mundo afora.

Entre eles, se destaca o europeu < IF DESIGN AWARDS > , que já condecorou a Pulseira Together (2011), colar Satélite (2009), o anel Oxigênio (2008), o brinco Impulso (2007), os anéis Balanço e Puzzle (2006), o anel Fold (2005) e os anéis Ciclos e Expand (2004).